NOTÍCIAS DE ÚLTIMA HORA

[7]

Porque não se deve colocar “água da torneira” no reservatório do radiador

Redação,Via Certa

Você é do tipo que coloca “água da torneira” sempre pra completar o nível no reservatório do seu carro? Ou que acha que o aditivo que vendem é somente uma forma do mecânico ou auto peças ganhar dinheiro a mais de você? Saiba que você está bem enganado, e que pode estar causando sérios problemas ao sistema de arrefecimento do seu carro por conta disso.

Vamos entender o porquê dessa afirmação.

Todos os carros com motor refrigerado a agua possuem um sistema de arrefecimento composto por bomba d’agua, mangueiras, um radiador para fazer a refrigeração desse líquido, e um reservatório de expansão onde o líquido fica acomodado. Esse líquido trabalha sob uma grande variação de temperatura e pressão a todo momento, e é imprescindível para manter o motor trabalhando na temperatura e forma correta.

Sabemos que o motor, em sua maior parte, contém componentes metálicos e de borracha/plástico. A água comum, que encontramos no fornecimento de nossas torneiras, é composta além de sua formulação normal, por minérios (oriundos da fonte de captação), assim como de cloro e flúor (oriundos da estação de tratamento). Esses compostos, ao longo do tempo, ajudam na oxidação dos metais (prejudicando a bomba d’agua e rolamentos que estão em contato com essa água), além de ajudarem em muito no ressecamento das borrachas e plásticos que fazem a vedação e transporte da água pelo seu percurso.

Portanto, em primeiro momento, já sabemos que a água comum, encontrada na torneira, não é o líquido certo para utilizar no seu carro, certo!? Mas toda regra tem uma exceção. Em caso de alguma emergência, onde se precise completar o nível de água do reservatório e essa seja a única alternativa, use-a. Mas já se programe para fazer a troca do líquido de arrefecimento em breve.

A água correta para utilização nos motores dos carros é a água desmineralizada (encontrada em auto peças e postos de gasolina, na maioria das vezes). Essa água passa por um processo que retira todos os minerais encontrados nelas, além de outras substâncias, deixando-a da forma mais pura possível. Mas só ela, não é o correto. Mas porquê?


Bem, vamos entender outro lado da água. Ela é um líquido considerado perfeito. Mas se é perfeito, por que não podemos utilizar só ela?

A água, por ser perfeita, congela aos 0 °C e ferve aos 100 °C. Os motores dos veículos mais modernos, para ganhar em eficiência (principalmente de consumo), trabalham mais quentes, geralmente com temperatura máxima entre 90 e 100 °C de temperatura. Essa temperatura é muito próxima do ponto de ebulição da água, o que deixaria uma grande possibilidade de ferver a água do motor e causar danos ao mesmo.

Entram dois pontos nesse caso. A água fervida, irá superaquecer o motor e consequentemente trazer danos, como queima de junta de cabeçote e até seu empeno, e em casos mais drásticos, fazer com que o óleo e água se misturem, levando a um dano maior (camisas, pistões, anéis, bronzinas, tudo pode ser danificado num superaquecimento do motor). O outro ponto é que ela evapora, diminuindo o nível de líquido no reservatório, forçando a repor o nível constantemente.

Para regiões com invernos rigorosos, temperaturas abaixo de 0 °C, essa água também congelaria no reservatório.

Para mudar essas propriedades químicas da água, e deixa-la perfeita para a utilização no motor, existem os aditivos para arrefecimento. Esse aditivo muda as propriedades dá água, elevando a sua temperatura de ebulição (geralmente para mais de 160 °C), e diminuindo também sua temperatura de congelamento (geralmente para menos que -30 °C). Isso já elimina por si só qualquer risco de congelamento ou fervura da água no circuito do sistema do motor, além de ajudar a manter a temperatura dá agua mais constante durante a troca de calor.

Os aditivos, além de terem a capacidade de mudar as propriedades da água, possuem outros compostos que ajudam na conservação dos componentes do motor, com antioxidantes para os metais e conservantes para as borrachas, prolongando muito a vida útil do motor e demais componentes.

Cada motor possui uma quantidade exata de aditivo a ser utilizada na sua mistura, podendo variar de 30% a 60% da quantidade total do líquido do sistema. Geralmente essa especificação está descrita no manual de manutenção do seu veículo, ou pode ser encontrada no site do fabricante do aditivo. Alguns fabricantes ainda vendem o aditivo pronto para uso (não concentrado), o qual é só aplicar diretamente no sistema do carro sem efetuar mistura alguma (ele já é composto de aditivo e água desmineralizada em proporção correta).

Se seu sistema estiver muito sujo, o correto é fazer uma drenagem completa do líquido e limpeza com água pura, ou até utilizar produtos para limpeza do circuito. Muitas vezes, durante esse processo de limpeza, podem aparecer vazamentos que até então não apareciam. Não pense que os produtos agrediram o motor e causaram esses vazamentos. Provavelmente a utilização de produtos incorretos anteriormente no sistema causaram isso, e sujeiras estavam apenas encobrindo os vazamentos.

Normalmente, ao utilizar a água correta com o aditivo, o nível não baixa no reservatório (sempre confira o nível com motor desligado e frio, nunca abra o reservatório com o motor quente pois pode gerar queimaduras). Caso o nível baixe (o que é normal, pois ainda assim há uma pequena evaporação do líquido com o tempo), sempre complete o nível com o mesmo produto até chegar no nível máximo (nunca acima, mas também nunca deixe abaixo da marcação de mínimo).

Cada aditivo tem uma data de validade específica, geralmente variando de 1 a 2 anos de uso no sistema. Após isso, todo o produto tem de ser drenado e colocado novo no sistema. Essa validade também é feita em km, a qual varia de acordo com o veículo, e também está especificada no manual de manutenção do mesmo. A validade sempre será do que ocorrer primeiro, quilometragem ou data de vencimento.

Fique atento, mantenha a manutenção em dia, faça verificação periodicamente se o nível está da forma correta, acompanhe se a temperatura do veículo sempre está dentro do correto, e aproveite o seu veículo por muito mais tempo!
Porque não se deve colocar “água da torneira” no reservatório do radiador Porque não se deve colocar “água da torneira” no reservatório do radiador Reviewed by Via Certa Natal Trânsito on julho 06, 2017 Rating: 5

Sora Templates