Conheça regras básicas de segurança no trânsito para gestantes

Por redação Via Certa Natal
Não há nenhuma lei que proíba uma mulher grávida de dirigir, porém alguns cuidados são indispensáveis para manter a segurança e saúde da gestante. “A princípio as grávidas podem dirigir, mas como tudo na vida é uma questão de bom senso, a gestante deve ponderar se está se sentindo bem para essa função”, explica Dr. Mauro Sancozki, obstetra.

Enjoos, tonturas ou inchaço são contraindicações para dirigir. “Esses são sintomas comuns do começo da gestação, se estiver com algum deles o melhor é evitar, pois geralmente o trânsito é muito estressante e contribui para a piora desse estado”, diz o obstetra.

Já no final da gestação, conforme aumenta o volume abdominal a gestante deve tomar outros cuidados. “As mulheres grávidas devem estar numa posição confortável e segura para dirigir, com o banco um pouco afastado, mas de forma com que alcancem os pedais. A barriga não pode ficar muito próxima ao volante, os riscos aumentam e são potencializados se o carro possuir airbag”, explica. Para ele, nesses casos o melhor é não dirigir e nem ocupar o banco da frente do veículo.

Além disso, a gestante deve evitar dirigir longas distâncias, em jejum, com calor ou frio excessivos e em estradas ruins.


Pesquisa do Canadian Medical Association Journal revelou que grávidas têm 42% mais chance de envolvimento em acidentes graves de trânsito, risco intensificado após o quarto mês de gestação.

O grupo de cientistas responsável pelo estudo associa o número ao estado de distração, somado às náuseas, ao cansaço e à ansiedade, fenômenos característicos da gravidez.
Cinto de segurança

O uso do cinto de segurança também desperta dúvidas. “O uso do cinto de segurança é obrigatório e imprescindível. Ele deve ser do tipo de três pontos, a faixa sub-abdominal deve estar mais baixa e ajustada quanto possível e a faixa diagonal deve cruzar o meio do ombro, passando entre as mamas. Nunca sobre o útero”, alerta Celso Alves Mariano, especialista em trânsito e diretor do Portal.
Gestantes em motos

Na motocicleta o assunto muda. Para o obstetra, a gestante nunca deve transitar neste tipo de veículo. “Qualquer queda com a moto pode expor o feto a riscos e, além disso, na motocicleta os corpos do passageiro e do condutor devem acompanhar os movimentos do veículo, o que não é uma tarefa simples para mulheres grávidas”, aconselha Dr. Sancozski.
Pedestres

Novamente o bom senso deve falar mais alto nesse caso.


“A gestante deve estar se sentindo bem, sem nenhuma complicação ou sintoma associado para enfrentar as ruas, principalmente de grandes cidades. Tonturas ou inchaços são condições adversas para a pedestre grávida”, explica Mariano.

As dicas são comuns aos demais pedestres, mas a atenção deve ser redobrada. “Olhar para os dois lados antes de atravessar uma via, atravessar em linha reta e sem correr, olhar atentamente para os lados ao descer de um carro ou ônibus e atravessar sempre na faixa de pedestre, são cuidados essenciais”, exemplifica o especialista.

De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro o motorista que não der a preferência para pedestre gestante, estará cometendo uma infração gravíssima.

Nos acompanhe nas redes sociais:

Instagram do trânsito



Whatsapp do trânsito: 9.9910-7606


Google +