Linhas STª Rita, Jardim Petrópolis, Golandim, Regomuleiro, Eucaliptos e Nova Parnamirim deixarão de aceitar cartão eletrônico de Natal

O edital de licitação do transporte público de Natal foi lançado na semana passada e pelo visto vem causando muitas dúvidas, gerando especulações e mostrando lacunas em que nenhum técnico da empresa que fez a consultoria tenha notado até então. 

Até mesmo dentro da própria secretaria de mobilidade urbana o tema é motivo para que os gestores do órgão se debrucem sobre o edital e tentem achar uma solução inteligente para os problemas esquecidos pela empresa que realizou a consultoria.

Bilhetagem Eletrônica

As linhas metropolitanas que circulam nas divisas de São Gonçalo do Amarante, Extremoz e Parnamirim hoje operam com a bilhetagem eletrônica de Natal, cobrando o mesmo valor da tarifa. Com a implantação da licitação o Via Certa Natal identificou que essas linhas deixarão de aceitar o cartão eletrônico, casando um enorme prejuízo aos moradores dos bairros que fazem limites com a capital.

Os usuários do sistema que residem nesta região não terão mais direito a tarifa urbana da capital, nem à meia passagem estudantil. Ainda estarão de fora da tarifa social que é concedida em dias de feriados  nacionais ou locais. 

Existe o risco ainda de que a retirada da bilhetagem eletrônica de São Gonçalo do Amarante, Extremoz e Parnamirim venha a causar desemprego para quem mora nessas cidades, pelo fato de um possível reajuste de passagem o que desagradaria aos empregadores.

Na contramão de tudo que é conclamado por especialistas em mobilidade urbana que pregam a integração do transporte público em cidades da região metropolitana, a prefeitura do Natal e a Câmara Municipal da capital resolveram ignorar essa fato.

Por tanto as linhas que atendem aos bairros de Nova Parnamirim, Eucaliptos, Regomuleiro, Golandim, Jardim Petrópolis e Santa Rita ficarão de fora do sistema de bilhetagem eletrônica a partir de 2017, na data em que for efetivada a licitação em Natal. Serão mais 70 mil usuários que serão vítimas de uma segregação absurda.

O que diz a prefeitura?

Por intermédio da secretária de mobilidade urbana foi nos respondido que a bilhetagem eletrônica das linhas metropolitanas depende do DER. A autarquia ainda frisou que o edital possui um protocolo aberto à região metropolitana mas a efetivação desta, depende do Governo do Estado e que o DER, (órgão gestor do transporte no estado), já esteve na STTU para conhecer os editais.

Linhas que invadem limites de outros municípios 

A equipe do Via Certa Natal notou também que algumas linhas avançam os limites de outras cidades e se for usada a lógica do término da bilhetagem eletrônica essas linhas deveriam ser realocadas ou simplesmente extintas.

Perguntamos como ficará a linha ''04' que tem o ponto final no Amarante, (São Gonçalo do Amarante), e faz ligação  com o bairro Mirassolna zona sul da capital potiguar? Se for usada o método imposto pela licitação, deveria ser metropolitana e ter a bilhetagem retirada.  E perguntamos como ficarão as linhas ''83'', ''50'', ''51'', ''52'', ''77'', ''72'' e ''67'' que avançam os limites de outros municípios?  

A secretaria de mobilidade urbana respondeu de forma lacônica aos nossos questionamentos.  A assessoria do órgão disse que  a linha ''04'' vai manter a operação como é atualmente, conforme está no edital e é possível acessar. Essa operação ocorre em razão da  linha ser urbanizada tendo a integração temporal. 

 As linhas ''50'', ''51'', ''52'', ''67'', ''72'', ''77'' e ''83'' não entram em outras cidades, passam apenas nos limites municipais por questão de necessidade, disse a STTU.

Então mostramos o caso da linha ''83'', ( Felipe Camarão/Ponta Negra), que percorre três quilômetros dentro do bairro Nova Parnamirim, que fica fora dos limites da cidade e perguntamos também em que o estudo se baseou para manter a linha ''04'' fora dos limites do município?

O órgão  se contradizendo afirmou que a linha ''83'' opera dentro do conjunto Pirangi, apenas dentro de Natal. O limite municipal vai até a avenida Poços de Caldas que é dentro de capital e que passa no limite municipal por questão operacional. E não são três  e sim menos de um quilômetros. E sobre a linha ''04'' a autarquia só se limitou em responder que tudo foi fruto de estudo de demanda e deslocamento.

A nossa equipe teve o cuidado de averiguar o percurso da linha ''83'' e somando o trecho da Abel Cabral com Poços de Caldas em Nova Parnamirim, tanto na ida como na volta dá três quilômetros dentro de Parnamirim.

Integração com outros modais

A licitação é muita vaga sobre a integração com outros modais e linhas intermunicipais.  Não se fala quase nada sobre o fato e o que é relatado diz apenas que ''poderá acontecer'', abusando da prática do gerundismo. 

O que diz a prefeitura sobre integração dos sistemas?

Parecendo desconhecer sobre o tema a ''STTU disse''  apenas que existe protocolo aberto no edital para outros modais.

Será que a licitação terá mesmo algum sucesso? Quem terá coragem de entrar numa licitação repleta de incógnitas que nem a prefeitura sabe decifrá-las? E que licitação é essa que irá manter as mesmas linhas de ônibus sem alterações de itinerários?

Vamos torcer para um sistema integrado com vários modais e que não segregue as cidades vizinhas que têm também fonte de impostos oriundos dos moradores desses municípios, usados muitas vezes apenas como dormitórios.  
Google +