Estado confirma indícios de ordens de presos em ataques a ônibus na Grande Natal


A série de ataques a ônibus que vem ocorrendo em Natal (RN) e cidades da região metropolitana, desde o início da tarde desta sexta-feira (29), tem indícios de retaliação de presos com as ações disciplinares que vêm sendo adotadas no sistema prisional do Estado. Até às 20h, pelo menos sete ônibus e um micro-ônibus foram incendiados por criminosos.

Os secretários de Estado da Justiça e Cidadania, Walber Virgolino, e da Segurança Pública e da Defesa Social, Ronaldo Lundgren, confirmaram que há indícios de que presos do PEP (Presídio Estadual de Parnamirim), localizado na região metropolitana de Natal, ordenaram os ataques criminosos.

“São ações do governo do Estado para retomada do controle da situação do sistema prisional. Essa reação é de quem está se vendo acuado, se vendo sob controle. Nós não podemos nos render a esse tipo de ameaça barata. Eles podem causar tumultos, podem sim, mas não podem enfrentar aquilo que o Estado do Rio Grande do Norte está fazendo”, disse Lundgren.

Em uma publicação no Facebook feita na manhã desta sexta-feira, o secretário Walber Virgolino, comemorou a instalação de bloqueadores de sinal de telefone celular no PEP e afirmou que “toda ação provocará uma reação”, prevendo ações criminosas nesta sexta-feira.

“Essa reação é normal por parte da criminalidade e sistema de segurança do Estado já esperava. Estamos contendo esse tipo reação. Não vamos admitir esse tipo de ação de presos, pois quem manda nos presídios do Rio Grande do Norte é o Estado”, afirmou Virgolino.

Áudios gravados no WhatsApp por supostos presos do PEP, divulgados na noite de ontem, avisavam que nesta sexta haveria um “salve-geral” com ordens de incêndios e assaltos a ônibus porque os presos irão ficar sem usar telefones celular dentro do presídio.

A Sesed explicou que o serviço de Inteligência identificou as áreas possíveis de ataques de criminosos e intensificou o policiamento onde há maior circulação de pessoas em Natal e cidades da região metropolitana. Apesar disto, oito veículos coletivos foram atacados nesta sexta-feira. O secretário Lundgren justificou que a maioria dos ataques ocorrem em locais que não estavam com grande fluxo de pessoas.

O Estado pediu que a população mantenha cautela com supostas informações repassadas pelo WhatsApp, pois podem se tratar de possíveis boatos. “O Governo recomenda à população que mantenha suas atividades normais, com a cautela de evitar a propagação de boatos e informações não confirmadas. E informa que o Estado não se intimidará na adoção de medidas que garantam a segurança da população”, disse em nota.
Google +